Como parte da estratégia de expansão das exportações para a América Latina, a Hyundai Motor Brasil começa a enviar veículos HB20, produzidos unicamente na fábrica de Piracicaba (SP), para o Uruguai. Serão 300 unidades até o fim de 2016 e outras 600 ao longo do próximo ano. O modelo exportado é o HB20 Comfort Plus 1.6, com câmbio manual, nas versões hatch e sedã.
 
“O HB20 já provou ser um sucesso no Brasil, consolidando-se entre os modelos mais vendidos. Comemoramos o início das exportações em março para o Paraguai e agora expandimos nossas operações para outro país vizinho, o Uruguai, onde também temos um importador tradicional para apoiar nossos clientes com toda a atenção e qualidade”, diz William Lee, presidente da Hyundai Motor Brasil.
 
Os veículos serão comercializados localmente pela Fidocar S.A., representante da marca Hyundai no Uruguai desde 1992. A rede de concessionárias no país conta com 28 casas, distribuídas por todo o território nacional e aptas para o atendimento de vendas de veículos, peças e serviços.
 
 
As exportações a partir da fábrica brasileira da Hyundai devem incluir outros países latino-americanos, além de Paraguai e Uruguai, e terão papel importante na sustentação dos volumes de produção frente à crise econômica no mercado interno. “No momento, não há planos para aumentar os volumes de produção. O foco é encontrar novos mercados para melhor utilizar a capacidade já instalada”, acrescenta o presidente da Hyundai Motor Brasil.
 
A Hyundai segue com produção em três turnos, durante os cinco dias da semana, e mantém a previsão de repetir em 2016 o mesmo volume do ano passado, em torno de 165 mil unidades. O mercado interno brasileiro de automóveis passa por grave desaceleração, com redução em cerca de 25% das vendas totais em relação a 2015, enquanto a Hyundai apresenta queda menor, de 4,5%, com a família HB20 garantindo um crescimento acumulado de aproximadamente 2%.
 
Com o objetivo de ampliar os mercados para o HB20, a Hyundai conseguiu este ano sua classificação como Operador Econômico Autorizado (OEA) pela Receita Federal, o que possibilita maior agilidade no processo de exportação e um melhor controle operacional dos embarques. Também, visando o maior reconhecimento no exterior, a montadora buscou a certificação de “Boas Práticas de Trabalho Decente”, conferida pela Secretaria de Emprego e Relações Trabalhistas do Estado de São Paulo (SERT). A certificação é baseada nos conceitos da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Ford Fund doa 9.000 máscaras para comunidades de São Paulo em projeto que gera renda para costureiras

Em parceira com a Aldeias Infantis SOS Brasil, a iniciativa faz parte do projeto Costura S…