\"\"

 
A Itaipu Binacional inicia em Foz do Iguaçu, no Paraná, a montagem dos 32 compactos 100% elétricos do modelo Renault Twizy, que fazem parte do acordo de cooperação tecnológica assinado no ano passado entre Renault e Itaipu.
 
De acordo com Margaret Groff, diretora financeira executiva de Itaipu, “o Twizy será integrado ao sistema de mobilidade inteligente de Itaipu. O objetivo é desenvolver soluções inovadoras na área de logística. A infraestrutura para o veículo elétrico ainda é um desafio para o Brasil e o mundo”.
 
O trabalho começou no final de outubro, em uma área especialmente preparada dentro do complexo hidrelétrico. A intenção é montar um carro por semana.
 
"Essa é a primeira vez que um veículo Renault é montado fora de uma fábrica da marca. Essa iniciativa demonstra, portanto, a importância que essa parceria tem para a Renault. Acreditamos que o futuro da mobilidade passa, necessariamente, por veículos zero emissão, e estabelecer esse tipo de parceria só reforça que estamos no caminho certo", afirma Olivier Murguet, presidente da Renault do Brasil.
 
A atividade mobiliza engenheiros e técnicos da matriz da Renault, na França; da fábrica do Twizy instalada em Valladolid, na Espanha; da fábrica da Renault em São José dos Pinhais; do Parque Tecnológico Itaipu (PTI); e da própria binacional.
 
O chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável de Itaipu, Celso Novais, que é coordenador brasileiro do Programa VE, explicou que a binacional pretende promover estudos de nacionalização dos componentes do veículo e, no futuro, preparar fornecedores de peças para o mercado regional.
 
“A nossa expectativa é que encontremos pelo menos 60% dos fornecedores [de peças] deste veículo no País. Isso é importante porque entra numa faixa boa de nacionalização, o que faz com que o preço do carro caia muito, além de gerar emprego e renda no Brasil”, afirmou.
 
O modelo de dois lugares, hoje à venda para o consumidor final apenas na Europa, integra uma categoria automotiva especial, projetada para uso urbano e características de um quadriciclo.
 
Todas as unidades montadas em Itaipu serão utilizadas exclusivamente para estudos e trabalhos internos, dentro dos limites do complexo hidrelétrico. Também poderão ser utilizados pelos empregados pelo sistema de car sharing (compartilhamento).
 
Como é o trabalho
 
\"\"
 
Os 32 Twizys chegaram à Itaipu em regime SKD (semi knock down, na sigla em inglês) – ou seja, parcialmente desmontados. Na usina, o trabalho envolve a integração do sistema de tração, bateria e motor elétrico, além da carroceria – totalizando aproximadamente 90 peças.
 
“Na Espanha, a montagem do Twizy é automatizada; aqui, o processo é mais manual, justamente porque o interesse de Itaipu não é produzir e fazer volume, mas conhecer a tecnologia”, explicou Celso Novais. Toda a estrutura montada pela Itaipu para desenvolver esse projeto conjunto está em linha com o que é preconizado pela Renault na Europa.
 
Para a equipe de Itaipu envolvida no projeto, o contato com os profissionais da Renault é uma oportunidade de aprofundar os conhecimentos em tecnologia e aprimorar os projetos desenvolvidos dentro do Programa VE. “Muitas coisas não adianta ver só no papel [em manuais]. Por isso, todos têm sido fundamentais para dar dicas importantes sobre o carro e a montagem. É um trabalho que está sendo muito produtivo”, destacou o engenheiro Nabor Ferreira Cabral, da Itaipu.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

 \"\"

 
A Itaipu Binacional inicia em Foz do Iguaçu, no Paraná, a montagem dos 32 compactos 100% elétricos do modelo Renault Twizy, que fazem parte do acordo de cooperação tecnológica assinado no ano passado entre Renault e Itaipu.
 
De acordo com Margaret Groff, diretora financeira executiva de Itaipu, “o Twizy será integrado ao sistema de mobilidade inteligente de Itaipu. O objetivo é desenvolver soluções inovadoras na área de logística. A infraestrutura para o veículo elétrico ainda é um desafio para o Brasil e o mundo”.
 
O trabalho começou no final de outubro, em uma área especialmente preparada dentro do complexo hidrelétrico. A intenção é montar um carro por semana.
 
"Essa é a primeira vez que um veículo Renault é montado fora de uma fábrica da marca. Essa iniciativa demonstra, portanto, a importância que essa parceria tem para a Renault. Acreditamos que o futuro da mobilidade passa, necessariamente, por veículos zero emissão, e estabelecer esse tipo de parceria só reforça que estamos no caminho certo", afirma Olivier Murguet, presidente da Renault do Brasil.
 
A atividade mobiliza engenheiros e técnicos da matriz da Renault, na França; da fábrica do Twizy instalada em Valladolid, na Espanha; da fábrica da Renault em São José dos Pinhais; do Parque Tecnológico Itaipu (PTI); e da própria binacional.
 
O chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável de Itaipu, Celso Novais, que é coordenador brasileiro do Programa VE, explicou que a binacional pretende promover estudos de nacionalização dos componentes do veículo e, no futuro, preparar fornecedores de peças para o mercado regional.
 
“A nossa expectativa é que encontremos pelo menos 60% dos fornecedores [de peças] deste veículo no País. Isso é importante porque entra numa faixa boa de nacionalização, o que faz com que o preço do carro caia muito, além de gerar emprego e renda no Brasil”, afirmou.
 
O modelo de dois lugares, hoje à venda para o consumidor final apenas na Europa, integra uma categoria automotiva especial, projetada para uso urbano e características de um quadriciclo.
 
Todas as unidades montadas em Itaipu serão utilizadas exclusivamente para estudos e trabalhos internos, dentro dos limites do complexo hidrelétrico. Também poderão ser utilizados pelos empregados pelo sistema de car sharing (compartilhamento).
 
Como é o trabalho
 
\"\"
 
Os 32 Twizys chegaram à Itaipu em regime SKD (semi knock down, na sigla em inglês) – ou seja, parcialmente desmontados. Na usina, o trabalho envolve a integração do sistema de tração, bateria e motor elétrico, além da carroceria – totalizando aproximadamente 90 peças.
 
“Na Espanha, a montagem do Twizy é automatizada; aqui, o processo é mais manual, justamente porque o interesse de Itaipu não é produzir e fazer volume, mas conhecer a tecnologia”, explicou Celso Novais. Toda a estrutura montada pela Itaipu para desenvolver esse projeto conjunto está em linha com o que é preconizado pela Renault na Europa.
 
Para a equipe de Itaipu envolvida no projeto, o contato com os profissionais da Renault é uma oportunidade de aprofundar os conhecimentos em tecnologia e aprimorar os projetos desenvolvidos dentro do Programa VE. “Muitas coisas não adianta ver só no papel [em manuais]. Por isso, todos têm sido fundamentais para dar dicas importantes sobre o carro e a montagem. É um trabalho que está sendo muito produtivo”, destacou o engenheiro Nabor Ferreira Cabral, da Itaipu.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Nissan comemora 20 anos de uma história de sucesso no Brasil

Da importação de carros à fabricante nacional de automóveis, marca consolida sua presença …