Você não colocaria seu carro em uma lava-louças se pudesse, mas é exatamente isso que a Nissan faz com cada novo modelo que lança. Cada novo modelo desenvolvido passa por rigorosos testes, que lembram uma máquina de lavar-louça, para avaliar a vedação contra água no Centro Técnico Europeu da Nissan. O novo Nissan Kicks, que começa a ser vendido no Brasil no dia 5 de agosto, foi um dos  últimos a passar por essas avaliações.
Nos testes, milhares de litros de água são vaporizados em todos os ângulos do exterior do carro e o processo é acompanhado por uma inspeção minuciosa para garantir a mais alta qualidade na vedação à prova dágua. Também conhecido como teste de monções, fazendo relação ao intenso fenômeno climático, ele ocorre diversas vezes durante o desenvolvimento de engenharia de todos os carros da Nissan.
Inicialmente 24 mil litros de água são jogados sobre o carro. Na parte mais dramática, mais de mil litros são derramados em 15 minutos – métrica equivalente à de uma forte tempestade.
 
Engenheiros da fábrica estado-da-arte da Nissan em Cranfield, no Reino Unido, poderiam facilmente ter desenvolvido este teste para ser completamente automático. A rigorosa natureza do programa de desenvolvimento, porém, bem como o clima do planeta, levam a crer que este processo não seria tão exigente quanto o necessário.
O processo requer, por parte dos técnicos da Nissan, o ataque às vedações do veículo com um jato de alta pressão, especialmente desenvolvido para operar em pressões extremas, como 150 bar. Isto é consideravelmente mais potente do que muitas unidades domésticas, que operam a 110 bar.
Carl Sandy é um dos engenheiros da Nissan que ajudaram a desenvolver os padrões deste teste. “Outro membro do time estará no carro com um endoscópio de alta definição para ver dentro dos painéis, buscando pela menor gotícula de água que talvez tenha passado”, afirma Sandy. A atenção aos detalhes é tamanha, que o time de Carl pode até desmontar todo o interior para confirmar que não há agua entrando.
Durante todo o programa – o teste de monção e a lavagem a jato – cerca de 30 mil litros de água são usados. Isto é equivalente a mais de duas mil vezes a quantidade usada num ciclo doméstico básico na lavadora de louças.
Tamanha quantidade de água pode parecer desperdício, mas nenhuma gota escorre pelo ralo. Toda ela é filtrada novamente para dentro de um enorme tanque, pronta para ser despejada no próximo carro que passe pela câmera. Reciclar água é tão importante quanto manter os clientes secos.
Os padrões de teste da Nissan são suficientes para os climas e estradas relativamente moderados da Europa Ocidental, mas também são robustos o suficiente para ambientes mais extremos.
“Testes rigorosos são importantes porque nem todo mercado é o mesmo”, diz Sandy. “Na Rússia, por exemplo, os jatos de água funcionam com um nível de pressão mais alto, para ser efetiva na limpeza das vias. Por meio de contínua evolução dos padrões de testes, garantimos que nossos carros correspondam às necessidades de direção presentes em diversos países”, completa.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Fórmula E: Di Grassi: “Somente com inovação e tecnologia alcançaremos um futuro com zero carbono”

Lucas Di Grassi, piloto da ABB FIA Fórmula E, tem um grande compromisso com o futuro do pl…