A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara  rejeitou o Projeto de Lei 3245/15, do deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), que classifica as carteiras de habilitação dos motociclistas de acordo com a cilindrada da moto. A proposta altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97).
Segundo o texto, a categoria A, de motociclistas de duas ou três rodas, será dividida em três subcategorias: A1, para motos de até 300 cilindradas; A2, para motos de até 700 cilindradas; e A3, para todas as motos, independentemente da cilindrada. Esta última funcionará como uma subcategoria genérica.
O relator da matéria, deputado Augusto Coutinho (SD-PE), apresentou parecer contrário ao texto. Como o projeto apresentou pareceres divergentes entre as comissões de mérito por onde tramitou, perdeu o caráter conclusivo e deverá ser analisado pelo Plenário.
“Não existe uma relação entre o aumento no número de acidentes e a imperícia dos condutores decorrentes da utilização de motocicletas de maior potência. Ao contrário, sabe-se que as grandes maiorias das motocicletas em circulação no país se enquadram na subcategoria de menor cilindrada, tal como definida no projeto”, afirmou o Coutinho.
Fonte: Agência Câmara Notícias
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Público poderá acompanhar as 24 Horas de Le Mans ao vivo do cockpit dos Ford GTs

Os quatro Ford Gts da equipe Ford Chio Ganassi em Le Mans: retorno ao circuito onde a marc…