A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara  rejeitou o Projeto de Lei 3245/15, do deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), que classifica as carteiras de habilitação dos motociclistas de acordo com a cilindrada da moto. A proposta altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97).
Segundo o texto, a categoria A, de motociclistas de duas ou três rodas, será dividida em três subcategorias: A1, para motos de até 300 cilindradas; A2, para motos de até 700 cilindradas; e A3, para todas as motos, independentemente da cilindrada. Esta última funcionará como uma subcategoria genérica.
O relator da matéria, deputado Augusto Coutinho (SD-PE), apresentou parecer contrário ao texto. Como o projeto apresentou pareceres divergentes entre as comissões de mérito por onde tramitou, perdeu o caráter conclusivo e deverá ser analisado pelo Plenário.
“Não existe uma relação entre o aumento no número de acidentes e a imperícia dos condutores decorrentes da utilização de motocicletas de maior potência. Ao contrário, sabe-se que as grandes maiorias das motocicletas em circulação no país se enquadram na subcategoria de menor cilindrada, tal como definida no projeto”, afirmou o Coutinho.
Fonte: Agência Câmara Notícias
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Volkswagen Jetta ganha versão inédita 250 TSI por R$ 99.990

Com itens de série muito valorizados pelos consumidores do segmento de sedãs médios, model…