A dois anos de celebrar a sexta década da primeira unidade industrial fora do Japão, a Toyota do Brasil demonstra a confiança no País e o comprometimento com as comunidades e com o meio ambiente. Mesmo em um contexto econômico desafiador, a Toyota manteve seu compromisso com o desenvolvimento do Brasil por meio de projetos e investimentos. É o caso do centro de distribuição no porto de Suape, em Pernambuco, que desde sua inauguração, no fim de 2015, conseguiu evitar a emissão de 1600 toneladas de gases poluentes. Os dados são destaque do Relatório de Sustentabilidade da Toyota do Brasil 2016, documento que apresenta os resultados, metas e melhorias da gestão socioambiental e econômica assumidos pela empresa em todos os níveis de gestão do seu negócio.
O volume de 24% de emissões a menos na atmosfera é equivalente a uma floresta de 142 mil árvores, ocupando mais de dois mil campos de futebol. Essa redução só foi possível, pois o transporte de veículos importados passou a ser feito por meio marítimo entre a Argentina e o porto de Suape, que contribui também com a melhoria na distribuição dos veículos fabricados em Sorocaba e Indaiatuba e que são exportados para Argentina, Paraguai, Uruguai e Peru.
Em seu ano fiscal 2015-2016, a Toyota adotou um posicionamento embasado no Desafio Ambiental 2050, que define metas a fim de reduzir os impactos negativos causados pelos automóveis sobre a saúde do meio ambiente global para o mais próximo possível ao nível zero de emissão. Com isso, a companhia busca contribuir para a criação de uma sociedade sustentável. Para cumprir estes desafios, a marca está trabalhando para que todo o ciclo dos produtos e processos industriais cheguem ao nível mínimo de emissão de gases de efeito estufa.
Além do resultado expressivo conquistado com o porto de Suape, a Toyota conquistou uma queda significativa nas emissões por veículo produzido, emitindo 65,4 kg de CO2 por carro, uma redução de 15,76 kg de CO2 em relação ao ano anterior. Para além da redução do uso da energia, a Toyota tem apostado na aquisição de recursos de fonte renovável em todas as fábricas atualmente em operação.
Com relação ao consumo de água, a intensidade foi de 1,67 m³ para cada unidade fabricada. No período, diversas melhorias foram responsáveis por economizar 16% do consumo de água, o equivalente a 25 mil m³ de recurso hídrico. Outro indicador prioritário da companhia é o descarte total de efluentes, que foi mais de 183 mil m³. A água usada nos processos fabris só é devolvida à rede pública, após tratamento físico-químico adequado nas estações de tratamento de efluentes (ETEs).
Reciclagem e logística reversa
Em consonância com as diretrizes da matriz no Japão, a Toyota tem trabalhado junto ao setor automotivo para adaptar suas operações ao desafio de estruturar uma cadeia de reciclagem efetiva para os veículos no Brasil. O Corolla possui um projeto adaptado para a reciclagem, o que permite a desmontagem adequada e a destinação de peças e componentes ao fim do ciclo de vida. Além do revestimento fabricado com resina, o painel central do sedã é construído com o Polímero Toyota Super Olefina (TSOP), 100% reciclável e elaborado pela Toyota. Pneus, gás de ar- -condicionado, filtros de óleo e baterias também se destacam nas práticas de reciclagem.  Em 2015, foram mais de 550 toneladas de baterias destinadas. Quanto aos pneus, no ano, cerca de 105 mil unidades foram coletadas no Bras il e encaminhadas a ecopontos autorizados.
Pesquisa e desenvolvimento
A Toyota inaugurou, em meados de 2016, o primeiro centro de pesquisa aplicada da marca na América Latina e o quarto do mundo fora do Japão. Situado dentro do complexo de São Bernardo do Campo, o novo espaço se soma a centros nos Estados Unidos, na Europa e na Tailândia para viabilizar estudos tecnológicos e fomentar a inovação adaptada às necessidades e demandas locais.
Além de inovações estéticas, o centro de pesquisa está preparado para atividades como testes de emissões, análises de matérias-primas e estudos sobre novos acessórios. A ideia de fortalecer atividades de P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) no País está em linha com as diretrizes do Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores (Inovar-Auto) – regulamentado a fim de fortalecer a produção e a inovação no setor em solo nacional.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Fórmula E: Di Grassi: “Somente com inovação e tecnologia alcançaremos um futuro com zero carbono”

Lucas Di Grassi, piloto da ABB FIA Fórmula E, tem um grande compromisso com o futuro do pl…