Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
As dezessete marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, com licenciamento de 29.751 unidades, anotaram em 2017 queda de 17% ante igual período de 2016, quando foram vendidas 35.852 unidades importadas.
No comparativo mensal, dezembro de 2017 ainda registrou queda de 0,4% em relação a igual período de 2016. Foram comercializadas 3.324 unidades contra 3.336 licenciamentos em dezembro do ano anterior. O desempenho de vendas no mês de dezembro, porém, significou alta de 27,2%, comparado ao mês imediatamente anterior. Foram 3.324 unidades contra 2.614 unidades em novembro último.
“Conseguimos fechar o ano de 2017 com crescimento 10% acima da projeção inicial de 27 mil unidades. Ainda assim, mais uma vez, amargamos queda expressiva de 17% em relação ao ano de 2016. Agora, com o fim das cotas limitadoras sem os 30 pontos percentuais no IPI, esperamos recuperar nossa participação no mercado interno que foi de apenas 2,21%, somando importados ´puros´ e veículos produzidos por nossas associadas no Brasil. E também no segmento somente de importados, que foi de 12,45% em 2017”, analisa José Luiz Gandini, presidente da Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores.
De acordo com Gandini, a Abeifa estima para este ano 40 mil unidades, crescimento de 35% sobre os dados de emplacamentos de 2017. “No entanto, estamos falando de crescimento sobre uma base muito fraca. É até natural que cresçamos a taxas mais expressivas, porém, sem euforia, com muito pé no chão”, esclarece, “agora, embora tenhamos isonomia tributária e sem cotas limitadoras, aos importadores fica muito difícil trazer carros de alto volume, os chamados carros mais populares, até porque a indústria local tem ofertas muito competitivas. Com o dólar no patamar de R$ 3,30, aos importadores fica quase impossível atuar fora de nicho de mercado”.
Além disso, Gandini voltou a reafirmar que, com o fim do programa Inovar-Auto e o retorno das alíquotas de IPI de 7%, 11%, 13%, 18% e 25%, respectivamente para veículos com motorização de 1.0 litro (flex), 1.0 a 2.0 litros (flex), 1.0 a 2.0 litros (à gasolina), acima de 2.0 litros (flex) e acima de 2.0 litros (à gasolina), os preços de veículos importados não vão cair. “Porque os importadores não pagavam o super IPI com adicional de 30 pontos percentuais, que serviu apenas como limitador de volumes”, esclarece.

Participações – Em dezembro último, com 5.268 unidades licenciadas (importados + produção nacional), a participação das associadas à Abeifa foi de 2,57% do mercado total de autos e comerciais leves (204.852 unidades). No acumulado, o market share foi de 2,21% (48.123 unidades, do total de 2.172.612 unidades).
Se for considerado o total de veículos importados, ou seja aqueles trazidos também pelas montadoras, as associadas à Abeifa responderam, em dezembro, por 13,23% (3.324 unidades, do total de 25.134 unidades importadas). No acumulado, 12,45% (29.751 unidades, do total de 238.964 veículos importados).

Produção local – Entre as associadas à Abeifa, que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover, Mini e Suzuki fecharam o mês de dezembro com 1.944 unidades emplacadas, total que representou alta de 27,1% em relação ao mês anterior. Comparado a dezembro de 2016, o aumento de 32%, quando foram emplacadas 1.473 unidades nacionais. Enquanto, no acumulado, as cinco associadas à Abeifa totalizaram 18.372 unidades emplacadas, alta de 49,2% ante as 12.313 unidades.
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Duplas da Mitsubishi Cup enfrentam muita lama na etapa de Cordeirópolis (SP)

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.Passando por pedreira e por um au…