A Polícia Federal está nesse momento fazendo o levantamento da quantidade de dinheiro apreendida na operação Sorte Grande, deflagrada na manhã desta quarta-feira (20). Foi confirmada a participação da Interpol nas investigações, já que há indícios de que o dinheiro era enviado para fora do país e que havia paraísos fiscais nas Ilhas Virgens Britânicas.
 
A investigação foi iniciada há cerca de 10 anos e calcula-se sonegações na ordem de R$ 900 milhões até o ano passado. Os depoimentos das 13 pessoas que foram conduzidas à sede da Polícia Federal ainda estão sendo tomados. A PF prefere manter em sigilo a identificação dos investigados, mas o procurador Marco Túlio confirmou o nome do empresário Paulo Guimarães entre os que estão sendo ouvidos neste momento.
 
Atualizada às 12h03
 
O delegado federal Carlos Alberto Nascimento informou que dois revólveres foram apreendidos na operação Sorte Grande e será aberto um inquérito paralelo para investigar a posse ilegal de armas de fogo. A operação é resultado de investigações que apontam lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e associação criminosa em um dos maiores grupos empresariais do Piauí. O desfalque, segundo a PF, chega a quase R$ 900 milhões.
 
Segundo o delegado, houve blindagem patrimonial, envolvendo cerca de 50 empresas do grupo, algumas são falsas. "As empresas devedoras eram quase falidas e parcelaram dívidas sem a intenção de pagar", esclareceu.
 
Ele explicou também que 13 pessoas foram conduzidas para prestar depoimentos, duas em São Paulo e 11 em Teresina. "Estão sendo ouvidas as pessoas que emprestaram o nome para serem laranjas e os proprietários das empresas", completou.
 
Participaram da coletiva superintendente da Polícia Federal do Piauí, Tarcísio Abreu, o delegado Carlos Alberto Nascimento, especialista no combate ao crime organizado, e Marcellus Alves, superintendente adjunto da Receita Federal do Piauí.
 
Marcellus acrescentou que o grupo empresarial é um dos maiores do Piauí e somente no ano passado, duas dessas empresas lançaram R$ 25 milhões na Receita Federal.
 
Na operação foi apreendida uma considerável quantia em dinheiro, em moedas nacionais e estrangeiras. Os conduzidos para a delegacia não serão presos neste momento porque a Justiça e a Polícia Federal entendem que o mais importante é a busca e apreensão de provas e a oitiva simultânea dos envolvidos.
 
\"\"
 
O procurador da República Marco Túlio Caminha informou, na sede da Polícia Federal, que a investigação aponta indícios de quase R$ 900 milhões em sonegação, incluindo crédito constituído, com juros e multas. As sonegações englobam contribuições previdenciárias e tributos em geral, nas cerca de 50 empresas do grupo.
 
Túlio confirmou que 13 pessoas foram encaminhadas para prestar depoimento na Operação "Sorte Grande da Polícia Federal", que seriam funcionários, gerentes e sócios do grupo empresarial. O procurador informou que o empresário Paulo Guimarães foi conduzido coercitivamente em São Paulo para prestar depoimentos juntamente com outros sócios. 
 
Marco Túlio acrescentou que depois dos depoimentos as pessoas encaminhadas à sede da PF estão sendo liberadas. Segundo ele, a investigação começou em 2003, quando o Ministério Público Federal recebeu a denúncia. E, em 2006, após fundamentar a investigação em documentos da Receita Federal, o órgão encaminhou pedido de abertura de inquérito para a Polícia Federal.
 
\"\"
 
O grupo empresarial atua na rede de comunicação, venda de veículos, empreendimentos imobiliários, educação – faculdades, e na área de saúde – hospitais e planos de saúde – especialmente nos Estados do Piauí e Maranhão. 
 
Em nota, a Polícia Federal fala que as investigações demonstraram que foram utilizados laranjas e empresas offshore, sediadas em paraíso fiscal das ilhas Virgens Britânicas. "O grupo realizou sucessivas mudanças nos quadros societários das empresas devedoras do fisco para afastá-las de seus verdadeiros proprietários e transferiu os seus ativos para novas pessoas jurídicas, também constituída com empregos de laranja e offshore, deixando as devedoras desmontadas apenas com a dívida", diz a nota.
 
Marco Túlio informou que após serem ouvidas as pessoas e conferidas as apreensões, o MPF analisará se abre processo criminal e penal contra os envolvidos. 
 
Fonte: Cidadeverde.com
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

 

 
A Polícia Federal está nesse momento fazendo o levantamento da quantidade de dinheiro apreendida na operação Sorte Grande, deflagrada na manhã desta quarta-feira (20). Foi confirmada a participação da Interpol nas investigações, já que há indícios de que o dinheiro era enviado para fora do país e que havia paraísos fiscais nas Ilhas Virgens Britânicas.
 
A investigação foi iniciada há cerca de 10 anos e calcula-se sonegações na ordem de R$ 900 milhões até o ano passado. Os depoimentos das 13 pessoas que foram conduzidas à sede da Polícia Federal ainda estão sendo tomados. A PF prefere manter em sigilo a identificação dos investigados, mas o procurador Marco Túlio confirmou o nome do empresário Paulo Guimarães entre os que estão sendo ouvidos neste momento.
 
Atualizada às 12h03
 
O delegado federal Carlos Alberto Nascimento informou que dois revólveres foram apreendidos na operação Sorte Grande e será aberto um inquérito paralelo para investigar a posse ilegal de armas de fogo. A operação é resultado de investigações que apontam lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e associação criminosa em um dos maiores grupos empresariais do Piauí. O desfalque, segundo a PF, chega a quase R$ 900 milhões.
 
Segundo o delegado, houve blindagem patrimonial, envolvendo cerca de 50 empresas do grupo, algumas são falsas. "As empresas devedoras eram quase falidas e parcelaram dívidas sem a intenção de pagar", esclareceu.
 
Ele explicou também que 13 pessoas foram conduzidas para prestar depoimentos, duas em São Paulo e 11 em Teresina. "Estão sendo ouvidas as pessoas que emprestaram o nome para serem laranjas e os proprietários das empresas", completou.
 
Participaram da coletiva superintendente da Polícia Federal do Piauí, Tarcísio Abreu, o delegado Carlos Alberto Nascimento, especialista no combate ao crime organizado, e Marcellus Alves, superintendente adjunto da Receita Federal do Piauí.
 
Marcellus acrescentou que o grupo empresarial é um dos maiores do Piauí e somente no ano passado, duas dessas empresas lançaram R$ 25 milhões na Receita Federal.
 
Na operação foi apreendida uma considerável quantia em dinheiro, em moedas nacionais e estrangeiras. Os conduzidos para a delegacia não serão presos neste momento porque a Justiça e a Polícia Federal entendem que o mais importante é a busca e apreensão de provas e a oitiva simultânea dos envolvidos.
 
\"\"
 
O procurador da República Marco Túlio Caminha informou, na sede da Polícia Federal, que a investigação aponta indícios de quase R$ 900 milhões em sonegação, incluindo crédito constituído, com juros e multas. As sonegações englobam contribuições previdenciárias e tributos em geral, nas cerca de 50 empresas do grupo.
 
Túlio confirmou que 13 pessoas foram encaminhadas para prestar depoimento na Operação "Sorte Grande da Polícia Federal", que seriam funcionários, gerentes e sócios do grupo empresarial. O procurador informou que o empresário Paulo Guimarães foi conduzido coercitivamente em São Paulo para prestar depoimentos juntamente com outros sócios. 
 
Marco Túlio acrescentou que depois dos depoimentos as pessoas encaminhadas à sede da PF estão sendo liberadas. Segundo ele, a investigação começou em 2003, quando o Ministério Público Federal recebeu a denúncia. E, em 2006, após fundamentar a investigação em documentos da Receita Federal, o órgão encaminhou pedido de abertura de inquérito para a Polícia Federal.
 
\"\"
 
O grupo empresarial atua na rede de comunicação, venda de veículos, empreendimentos imobiliários, educação – faculdades, e na área de saúde – hospitais e planos de saúde – especialmente nos Estados do Piauí e Maranhão. 
 
Em nota, a Polícia Federal fala que as investigações demonstraram que foram utilizados laranjas e empresas offshore, sediadas em paraíso fiscal das ilhas Virgens Britânicas. "O grupo realizou sucessivas mudanças nos quadros societários das empresas devedoras do fisco para afastá-las de seus verdadeiros proprietários e transferiu os seus ativos para novas pessoas jurídicas, também constituída com empregos de laranja e offshore, deixando as devedoras desmontadas apenas com a dívida", diz a nota.
 
Marco Túlio informou que após serem ouvidas as pessoas e conferidas as apreensões, o MPF analisará se abre processo criminal e penal contra os envolvidos. 
 
Fonte: Cidadeverde.com
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Mercedes-Benz lança campanha para mostrar ações de combate ao Coronavírus nos ônibus

Sob o mote “Vá de ônibus. Vá seguro”, clientes e parceiros da Empresa poderão divulgar açõ…